top of page
Buscar
  • Foto do escritorOsvaldo Shimoda

Você sabe qual é a sua missão de vida?


“O guerreiro da luz conhece a importância da intuição. No meio da batalha, não tem tempo para pensar nos golpes do inimigo - então, usa sua intuição, e obedece ao anjo. Nos tempos de paz, decifra os sinais que Deus lhe envia. As pessoas dizem: 'Está louco!'. Ou então: 'Vive num mundo de fantasia'. Ou ainda: 'Como pode confiar em coisas que não têm lógica?'. Mas o guerreiro sabe que a intuição é o alfabeto de Deus, e continua escutando o vento e falando com as estrelas". Manual do Guerreiro da Luz - Paulo Coelho É comum os pacientes virem ao meu consultório, querendo saber o seu real propósito de vida, sua verdadeira vocação, o seu caminho profissional; enfim, sua missão de vida.

Por não a encontrar, sentem-se confusos, perdidos, insatisfeitos e inquietos, porque a alma é impiedosa, implacável, cobra-nos sempre quando não estamos dando o nosso melhor ou nos desvirtuando de nosso verdadeiro propósito de vida, a que viemos na encarnação atual.


Por que a maioria das pessoas não sabe ao certo a sua missão de vida?


A resposta está na barreira da memória - termo usado por Freud, o pai da psicanálise, que se manifesta em forma de amnésia -, e que nos impede de lembrar, acessar as lembranças de nossas vidas passadas, bem como o nosso programa reencarnatório (é o que precisamos aprender, as pessoas que precisamos ajudar, a nos reconciliar, os resgates cármicos com os pais, filhos, irmãos, parentes, amigos, os maus hábitos e imperfeições, traços de personalidade que temos que mudar, experiências de vida que precisamos passar, com quem iremos casar, constituir uma família, etc.).


O programa reencarnatório está registrado no Livro da Vida, que elaboramos no Astral antes de reencarnarmos, de comum acordo com o nosso mentor espiritual, que é um Espírito superior, responsável diretamente pela nossa evolução espiritual. No entanto, após o reencarne, esquecemos de nosso programa reencarnatório, porque o planeta Terra é constituído de uma estreita faixa de forte magnetismo, que nos impede de acessarmos a nossa memória extra cerebral (as experiências das existências passadas estão todas gravadas em nosso perispírito, que é o nosso corpo espiritual).


Sendo assim, quando a gente reencarna, automaticamente, esquecemos as nossas encarnações passadas. Portanto, como habitantes desse planeta, estamos na condição de seres amnésicos, sujeitos a lei do esquecimento, uma das leis universais.


Da mesma forma que estamos subordinados à lei da gravidade, uma das leis da física, que puxa tudo para o centro da Terra, e que nos impede de levitar, de voar, o mesmo ocorre com a Lei do esquecimento, que nos impede de lembrar as existências passadas e o propósito dessa encarnação.


Por conta da lei do esquecimento, explica-se por que a grande maioria das pessoas acha que está aqui pela 1ª vez nessa vida terrena, e, com isso, não acredita na tese da reencarnação.

Freud chamava de "barreira da memória" a essa amnésia, esquecimento; os sábios sacerdotes do antigo Egito, chamavam-na de "véu de Ísis"; Kardec, o codificador do espiritismo, de "véu do esquecimento" e Buda, “véu de Maya”. Portanto, todos falaram do mesmo assunto, porém, utilizando-se de termos diferentes.


Kardec se referia também a esse “véu do esquecimento”, como uma "bênção divina", um presente de Deus, pois, seria insuportável viver nesta encarnação, se não houvesse esse véu. Sem dúvida alguma, sem a sua existência, iríamos lembrar espontaneamente de todos os erros e atrocidades cometidas em vidas passadas, em razão de nossas imperfeições como espíritos em evolução, e, com isso, ficaríamos muito perturbados ou surtaríamos. Mas, se de um lado esse véu nos protege, preserva nossa integridade psicológica e emocional, do outro nos torna ignorantes, inconscientes, e pode nos levar a abandonar nosso propósito de vida, as aprendizagens necessárias, desperdiçando assim, toda uma encarnação.


Certa ocasião, um médico ginecologista e obstetra me procurou, insatisfeito com sua profissão, por não ter vida própria, pois sua esposa se queixava muito de que ele não participava da vida familiar em razão de seu trabalho.


Ele desabafou, dizendo que teve que sair às pressas do aniversário de sua filhinha que estava completando três anos, pois teve que fazer um trabalho de parto. Portanto, estava em conflito, se devia ou não continuar exercendo sua profissão. No entanto, mesmo que optasse em não continuar como médico, alegava que não conseguia se imaginar numa outra profissão.


Ao regredir, ele se viu numa vida anterior à atual como parteira, uma mulher obesa, que praticava inúmeros abortos, como meio de subsistência.


Após essa regressão, veio a entender o porquê de ter vindo na vida atual como obstetra: era um resgate cármico, ou seja, como nessa vida passada praticou muitos abortos, tirando vidas, veio na encarnação atual para ajudar, desta vez, a trazer vidas. Saiu da terapia com a certeza de que estava na profissão certa, como obstetra, e que devia continuar exercendo-a. Na TRE (Terapia Regressiva Evolutiva) - A Terapia do Mentor Espiritual - Abordagem psicológica e espiritual breve, idealizada por mim em 2006, pelo fato do mentor espiritual do paciente conhecê-lo profundamente, ele vai direto ao ponto, mostrando-lhe a causa verdadeira de seu(s) problemas(s).


Em muitos casos - se assim julgar necessário, benéfico ao paciente - o mentor espiritual do paciente irá fazer também uma progressão de memória, isto é, uma revelação futura em relação à vida do paciente.


Veja a seguir, o caso de uma paciente, que, veio ao meu consultório, sentindo uma inquietude e insatisfação, por não saber qual era sua verdadeira vocação, sua missão de vida. Sabia que precisava fazer algo, mas, não sabia o quê? Caso Clínico: Qual é a minha missão de vida?

Mulher de 22 anos, solteira. A paciente me procurou, porque sentia uma inquietude e insatisfação muito forte em razão de não saber qual era a sua missão de vida, seu verdadeiro propósito de vida.

Isso a angustiava muito, pois sua alma a cobrava de que precisava fazer algo, mas não sabia o quê; enfim, queira saber de que forma podia servir a Deus. Católica praticante, por conta dos valores defendidos por sua religião, sentia-se também em conflito ao se envolver com um homem casado. No entanto, sabia que não era um mero envolvimento, pois havia um laço emocional muito forte, que os unia.


Por isso, queria entender também por que foi se envolver e se apaixonar justamente por um homem casado, já que isso contrariava os seus princípios religiosos.


Ao regredir, ela me relatou: "Vejo um homem alto, usa uma roupa clara, folgada. Ele olha para mim"... É um ser espiritual de luz. (pausa). Terapeuta: - Pergunte quem é ele?


Paciente: "Ele é o meu mentor espiritual, diz que quer me ajudar a seguir o caminho que me foi preparado, nesta vida presente". (paciente fala chorando). Terapeuta: - Pergunte-lhe qual é esse caminho?


Paciente: "Ele aponta o dedo indicador para cima, e diz que é o caminho de Deus. Mas, para isso, preciso seguir escutando mais o meu coração (intuição). (pausa).

Perguntei-lhe se devo ou não seguir o caminho da consagração, fazendo o sacrifício a Deus, tornando-me freira?

Ele me responde, dizendo que, sim, que o meu caminho é ser uma clarista (Ordem religiosa da Igreja Católica, onde a freira faz voto de castidade, pobreza e obediência, ficando em total clausura).

O meu mentor espiritual afirma que a minha profissão é a arte (paciente estava cursando teatro), que me realizarei caso venha exercê-la, mas que isso não me completaria na plenitude. Revela que a felicidade plena só vou conseguir servindo a Deus, renunciando a tudo em total clausura.

Mas, deixa bem claro que a escolha é minha. Reitera, que se eu seguir o caminho da arte, não vou me sentir completa, saciada. Só vou conseguir isso, sendo clarista". Terapeuta: - Pergunte ao seu mentor espiritual por que você só se sentiria completa sendo clarista?


Paciente: "Porque é um saciar espiritual; portanto, de minha alma. Esclarece, que a arte é uma expressão e também um dom de Deus, mas, como clarista vou conseguir me dedicar mais a fazer obras em nome de Deus e, sendo uma pessoa comum, seria mais difícil". Terapeuta: - Pergunte se você tem vocação para ser uma clarista?


Paciente: "Diz que, sim, mas é uma questão de tempo, de maturidade. Por isso, pede para terminar os meus estudos, e, após isso, ainda vou ter de esperar porque para ser uma clarista, ingressar na ordem, só será possível quando estiver mais madura para me adaptar a essa nova vida".


Terapeuta: - Pergunte ao seu mentor espiritual por que você se envolveu e se apaixonou por um homem casado?


Paciente: "Diz que tudo está na permissão e propósito de Deus. Afirma que esse encontro foi necessário para decidir no futuro, se continuo com ele para o resto da vida, ou se renuncio para ser freira.

Afirma ainda, que essa experiência amorosa vai me servir para não tomar o caminho da clausura por impulso ou falta de opção, como muitas fazem. Tendo esse envolvimento amoroso, porque ambos se gostam verdadeiramente (paciente nunca teve uma experiência amorosa tão intensa como essa), se eu escolher o caminho da clausura, não vou poder reclamar ou culpar a vida de que nunca tive uma experiência amorosa. Ele explica ainda, que se eu não tiver essa experiência, poderia achar a clausura uma fuga". Terapeuta: - Pergunte ao seu mentor espiritual como fica a relação com esse homem, uma vez que ele é casado?


Paciente: "Ele diz que aos poucos Deus irá colocar as coisas no lugar; por isso, pede para não me sentir culpada - caso ele se separe - porque tudo está nos planos de Deus. Faz parte de meu aprendizado, embora pareça errado, mas, não é como eu penso, pois as coisas acontecem como tem que ser, para eu amadurecer.

A experiência com esse homem faz parte também de minha missão porque é um passo muito difícil para eu aceitar uma pessoa casada. Revela também, que esse homem está angustiado, porque não sabe o que fazer. Está em conflito, pois sua esposa é uma pessoa boa, mas, não o faz feliz.

Mas, diz que de qualquer forma vou passar pela experiência, casando-me com ele, pois Deus sabe que vou precisar passar por isso, para posteriormente tomar a decisão de forma madura para ser freira. Diz ainda, que essa decisão vai ocorrer por volta dos 40 anos; portanto, estarei mais madura. Reitera novamente, que tanto na profissão como atriz, bem como no casamento, não vou encontrar a plenitude que almejo, porque será um sacrifício conciliar a profissão e o casamento com a minha verdadeira missão.


Fala que cada pessoa nasce para servir a Deus de uma forma, e que no caso de minha irmã ela tem vocação para o casamento, e, por isso, ela se sente plena e feliz estando casada. Só que comigo, essa felicidade pode não acontecer, pois, no meu caso, não vim com esse propósito, como missão principal nesta encarnação. (pausa).



Conclusão: É muito difícil ouvir isso dele, porque tive de meus pais toda uma educação católica para casar e constituir uma família (a Igreja Católica desconsidera a missão particular de cada pessoa, pois, nem toda mulher veio na encarnação atual para casar e constituir uma família, ou seja, exercer a maternidade).


Em relação ao nosso tratamento, afirma que pode ser que precise voltar à terapia daqui a alguns anos; caso precise, serei intuído por ele. O meu mentor espiritual está se despedindo, agradece ao senhor por ter sido um canal entre nós (o meu papel como terapeuta nessa terapia é ser um facilitador na comunicação entre o paciente e o seu mentor espiritual)".




149 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page